Comte: Vida e Obra (Os Pensadores)

COMPARTILHE:
Share

Auguste Comte nasceu em Montpellier, França, a 19 de janeiro de 1798. Suas relações com a família foram tempestuosas. Comte acusava os familiares de avareza, culpando-os por sua precária situação econômica.

O pai e a irmã, ambos de saúde muito frágil, reclamavam maior participação de Auguste em seus problemas. A mãe apegou-se a ele de forma extremada.

Aos dezesseis anos, em 1814, Comte ingressou na Escola Politécnica de Paris, onde recebeu a influência do trabalho de cientistas como o físico Sadi Carnot (1796-1832), o astrônomo Pierre Simon de Laplace (1749-1827) e do matemático Lagrange (1736-1813). O fator mais decisivo para sua formação foi o estudo do Esboço de um Quadro Histórico dos Progressos do Espírito Humano, de Condorcet (1743-1794), que traça um quadro do desenvolvimento da humanidade, no qual a ciência e a tecnologia permitiam ao homem caminhar para uma era em que a organização social e política seria produto da razão.

O FILÓSOFO E SUA MUSA Em 1817, Comte tornou-se secretário de Saint-Simon (1760-1825), do qual receberia profunda influência. Ele e Saint-Simon eram de temperamentos muito diversos. O conflito culminou com a publicação do Plano de Trabalhos Científicos Necessários à Reorganização da Sociedade, escrito por Comte e do qual Saint-Simon discordou. A separação entre os dois ocorreu em 1824. No mesmo ano, Comte casou-se com Caroline Massin e passou a dar aulas particulares de matemática. Dois anos depois, iniciou em sua própria casa um curso, do qual resultou a obra Curso de Filosofia Positiva, em seis volumes. As relações com a esposa pioraram até a completa separação em 1842. Dois anos depois, Comte publicou o Discurso sobre o Espírito Positivo.

Em 1844, conheceu Clotilde de Vaux, por quem apaixonou-se perdidamente. Após a morte de Clotilde, um ano depois, Comte transformou-a no gênio inspirador de uma nova religião, cujas ideias se encontram em Política Positiva ou Tratado de Sociologia Instituindo a Religião da Humanidade. Além dessa obra, Comte publicou, em 1852, o Catecismo Positivista ou Exposição Sumária da Religião Universal.

Os últimos anos da vida de Comte transcorreram em grande desencanto, sobretudo por ter sido abandonado pelo discípulo Émile Littré, que não concordava com a ideia de uma nova religião. Faleceu no dia 5 de setembro de 1857.

OS TRÊS TEMAS BASICOS O núcleo da filosofia de Comte radica na ideia de que a sociedade só pode ser convenientemente reorganizada através de uma reforma intelectual do homem. Por essa razão, o sistema comteano estruturou-se em torno de três temas básicos. Em primeiro lugar, uma filosofia da história com o objetivo de mostrar as razões pelas quais a filosofia positiva deve imperar entre os homens. Em segundo lugar, uma fundamentação e classificação das ciências. Finalmente, uma sociologia que permitisse a reforma prática das instituições. A esse sistema deve-se acrescentar a forma religiosa assumida pelo plano de renovação social.

O PROGRESSO DO ESPÍRITO A filosofia da história pode ser sintetizada na lei dos três estados: todas as ciências e o espírito humano desenvolvem-se através de três fases distintas; a teológica, a metafísica e a positiva.

No estado teológico, diante da diversidade da natureza, o homem só consegue explicá-la mediante a crença na intervenção de seres pessoais e sobrenaturais. Para além disso, o homem não coloca qualquer problema, sentindo-se satisfeito na medida em que a possibilidade de recorrer à intervenção das divindades fornece um quadro para compreensão dos fenômenos que ocorrem ao seu redor. Confiando em poderes imutáveis, fundados na autoridade, essa mentalidade teria como forma política correspondente a monarquia aliada ao militarismo.

O estado metafísico, diferentemente do teológico, coloca o abstrato no lugar do concreto e a argumentação no lugar da imaginação. A argumentação, invadindo o campo das ideias teológicas, traria à luz suas contradições e substituiria a vontade divina por “ideias” ou “forças”. Com isso, a metafísica destruiria a ideia teológica de subordinação da natureza e do homem ao sobrenatural. Na esfera política, o espírito metafísico corresponderia a uma substituição dos reis pelos juristas.

O PENSAMENTO POSITIVO O estado positivo caracteriza-se pela subordinação da imaginação e da argumentação à observação. A visão positiva dos fatos abandona a consideração das causas dos fenômenos (procedimento teológico ou metafísico) e torna-se pesquisa de suas leis. A união entre a teoria e a prática seria maior no estado positivo do que nos anteriores, pois o conhecimento das relações constantes entre os fenômenos torna possível determinar seu futuro desenvolvimento. O estágio positivo do espírito humano marcaria a passagem do poder espiritual para as mãos dos sábios e cientistas e do poder material para o controle dos industriais.

DO SIMPLES AO COMPLEXO Segundo Comte, as ciências classificam-se de acordo com a maior ou menor simplicidade de seus objetos respectivos. A complexidade crescente começaria com as matemáticas, que possuem o maior grau de generalidade e estudam a realidade mais simples e indeterminada. A astronomia acrescenta a força ao puramente quantitativo, estudando as massas dotadas de forças de atração. A física soma a qualidade ao quantitativo e às forças, ocupando-se do calor, da luz etc.. A química trata de matérias qualitativamente distintas. A biologia ocupa-se dos fenômenos vitais, nos quais a matéria bruta é enriquecida pela organização.

A totalização do saber somente poderia ser alcançada através da sociologia, que, entendida por Comte, inclui psicologia, economia política, ética e a filosofia da história. Os objetos das ciências sociais não devem ser tratados independentemente do curso de desenvolvimento revelado pela história. Aspecto fundamental da sociologia comteana é a distinção entre a estática e a dinâmica sociais. A primeira estudaria as condições constantes da sociedade (ordem); a segunda investigaria as leis de seu desenvolvimento (progresso).

UMA NOVA RELIGIÃO Para Comte, a Revolução Francesa destruiu as instituições sociais do homem europeu e impunha-se estabelecer uma nova ordem. Os anseios de reforma intelectual e social de Comte envolveu também a formulação de uma religião da humanidade. Formulou um novo calendário, cujos meses receberam nomes de grandes figuras da história do pensamento, como Descartes; tinha também seus dias santos, nos quais se deveriam comemorar as obras de Dante, Shakespeare, e outros. Redigiu ainda um novo catecismo, cuja ideia central era a substituição do Deus pela Humanidade.

O POSITIVISMO NO BRASIL O positivismo de Auguste Comte exerceu larga influência nos mais variados círculos, incorporou-se a correntes análogas, que procuraram valorizar as ciências naturais e suas aplicações práticas. Entre os mais fiéis seguidores de Comte destaca-se o lexicógrafo Émile Littré. Na Inglaterra, o positivismo de Comte teve, entre seus propagadores, o filósofo John Stuart Mill.

As primeiras manifestações do positivismo no Brasil datam de 1850, quando Manuel Joaquim Pereira de Sá apresentou tese de doutoramento em ciências físicas e naturais, na Escola Militar do Rio de Janeiro. Em 1876, fundou-se a primeira sociedade positivista do Brasil, tendo à frente Teixeira Mendes, Miguel Lemos e Benjamin Constant (1836-1891). No ano seguinte, os dois primeiros viajaram para Paris, onde conheceram Émile Littré e Pierre Laffite.

De volta ao Brasil, Miguel Lemos fundou a Sociedade Positivista do Rio de Janeiro, que constitui a origem do Apostolado Positivista do Brasil e da Igreja Positivista do Brasil, cuja finalidade era “formar crentes e modificar a opinião por meio de intervenções oportunas nos negócios públicos”. Entre essas intervenções, foi importante a participação dos positivistas no movimento republicano. Influíram na Constituição de 1891 e a bandeira brasileira passou a ostentar o lema comteano “ordem e progresso”. No século XX, o entusiasmo pelo positivismo religioso decresceu consideravelmente, mas continuou a existir a Igreja Positivista do Brasil, no Rio de Janeiro.

Bibliografia:

COMTE, Auguste. Vida e obra. São Paulo: Abril Cultural (Col. Os Pensadores), 1978.

Rolf Amaro

Nascido em 83, formado em Ciências Sociais, músico, sempre ando com um livro na mão. E a Ana,minha senhora, na outra.

More Posts

Follow Me:
Twitter

Desabafos

One thought on “Comte: Vida e Obra (Os Pensadores)

  1. Pingback: Pesquisando no Arquivo: um olhar das Ciências Sociais sobre o contexto do tratamento da loucura no Hospital Psiquiátrico São Pedro |                        

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.