Dicionário do Pensamento Marxista: Classe Operária

COMPARTILHE:
Share

Seria a força política do futuro. Nasce no confronto gradual com a burguesia, que começa com o indivíduo, passaria ao grupo, se estenderia ao ramo de atividade e, com a ajuda de modernos meios de comunicação, chegaria a uma luta nacional entre classes. O desenvolvimento da indústria e seu crescimento levaria ao aumento da força proletária, e modernos meios de comunicação centralizariam as lutas locais e estaria assim formada a luta nacional entre classes.

Durante o século XIX o movimento operário seguiu este modelo, embora não tenha resultado na formação de organizações partidárias próprias. Surgiu uma visão de que a transição para o socialismo poderia ser pacífica e gradativa, ponto defendido pela ala reformista do movimento operário, que se opunha à revolucionária. Duas constatações influenciavam no embate entre reformistas e revolucionários: primeiro, nem a consciência revolucionária nem uma consciência socialista criou raízes na classe operária. Segundo, as revoluções socialistas ocorreram majoritariamente em sociedades camponesas, não onde havia capitalismo avançado, onde partidos revolucionários conquistaram uma parcela reduzida de apoio popular. O pessimismo em relação à função histórica do proletariado expressou-se melhor pelos marxistas ligados à Escola de Frankfurt, que reconheceu o caráter não revolucionário da classe operária ocidental e buscou outras forças revolucionárias na sociedade moderna, como em estudantes, jovens, grupos étnicos explorados e massas camponesas do terceiro mundo. Reformistas encaram esta depreciação como uma conquista gradativa do poder, uma revolução lenta embasada por uma socialização progressiva da economia que resultaria no crescimento da classe média, categoria que também sofre com a dualidade de interpretação – seria a nova classe operária que ascendeu, abrangendo o que vinha sendo habitualmente considerado como ocupação de classe média; e os que consideram classe média como uma categoria distinta definida pelo caráter de seu trabalho – intelectual e de supervisão, parceira estratégica essencial da classe operária para o avanço na direção do socialismo.

Apesar das diferenças, a ação política da classe operária organizada continua sendo a força indispensável para a transformação radical da sociedade.

Contribua com o Resumo da Obra

Bibliografia:

BOTTOMORE, Tom. Dicionário do pensamento marxista. Trad. de Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

Rolf Amaro

Nascido em 83, formado em Ciências Sociais, músico, sempre ando com um livro na mão. E a Ana,minha senhora, na outra.

More Posts

Follow Me:
Twitter

Desabafos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.