A Ditadura Envergonhada: A Queda – O Exército Dormiu Janguista

COMPARTILHE:
Share

O presidente João Goulart, na noite de segunda-feira, 30 de março de 1964, deveria discursar para um auditório de suboficiais e sargentos das Forças Armadas reunidos no salão do Automóvel Clube, na Cinelândia. Com Jango estavam o deputado Tancredo Neves, líder do governo na Câmara, e o secretário de Imprensa da Presidência, Raul Ryff. Ambos tentavam convencê-lo a não ir à reunião. Argumentavam que a presença do presidente jogaria lenha na crise militar que o país atravessava.

João Goulart tinha 45 anos e fora abatido duas vezes por pronunciamentos militares. Em fevereiro de 1954 um manifesto de coronéis tirara-o do Ministério do Trabalho. Em 1961, quando Jânio Quadros renunciou, era o vice-presidente e viu-se vetado pelos ministros militares. Goulart recuperara os poderes presidenciais em janeiro de 1963, depois de um plebiscito, com 9,5 milhões de votos contra 2 milhões dados ao parlamentarismo. Tentara um golpe em outubro, solicitando ao Congresso a decretação do estado de sítio, e vira-se abandonado pela esquerda, que repeliu a manobra. Desamparado, Jango retirou o projeto que remetera à Câmara.

Depois de tentar um golpe sem a esquerda, infletiu o governo na sua direção. Acelerara nos primeiros meses de 1964, até que no dia 13 de março, num grande comício na praça em frente à Central do Brasil (ao lado do Ministério da Guerra), anunciou sua disposição de lançar o governo na campanha pelas reformas de base. Assinou dois decretos. Um desapropriava as terras ociosas das margens das rodovias e açudes federais. Outro encampava as refinarias particulares de petróleo. Era um governo em crise. À tensão política somava-se um declínio econômico. Os investimentos estrangeiros haviam caído à metade. A inflação fora de 50% em 1962 para 75% no ano seguinte. Os primeiros meses de 1964 projetavam uma taxa anual de 140%, a maior do século. Pela primeira vez desde o fim da Segunda Guerra a economia registrara uma contração na renda per capita dos brasileiros. As greves duplicaram, de 154 em 1962, para 302 em 63. O governo acumulava um déficit de 504 bilhões de cruzeiros, equivalente a mais de um terço do total das despesas.

A guinada dividira o país. O conservadorismo paulista respondera ao comício do dia 13 com uma Marcha da Família com Deus pela Liberdade em que se reuniram perto de 200 mil pessoas. O Congresso, com maioria conservadora, mostrava-se disposto a bloquear os projetos de reforma e a cozinhar o surto esquerdista até o ano seguinte. Em outubro de 1965 o ex-presidente Juscelino Kubitschek e o governador da Guanabara, Carlos Lacerda, disputariam o palácio do Planalto.

Ao cultivar o choque com o Congresso, Goulart dava a impressão de que pretendia atropelar a sucessão, como fizera Getúlio Vargas em 1937. A ida do presidente ao Automóvel Clube indicava que o governo esporeava a crise, aceitando o seu agravamento como parte de uma ofensiva ampla e radical. Havia dois golpes em marcha. O de Jango viria amparado no “dispositivo militar” e nas bases sindicais, que cairiam sobre o Congresso, obrigando-o a aprovar um pacote de reformas e a mudança das regras do jogo da sucessão presidencial. O outro destinava-se a pô-lo para fora.

À direita, não havia data nem base definidas, mas havia uma senha. Ela seria qualquer ato de força do governo, quer contra o Congresso, quer contra os governadores que lhe eram hostis. A base mais sólida estava em Minas Gerais, pois se desejava que o movimento eclodisse numa área onde houvesse harmonia entre as tropas rebeladas e o poder civil que as deveria amparar. Em nenhum outro estado-chave os generais e o governador tinham-se aproximado tanto no planejamento da insurreição. Minas era governada por José de Magalhães Pinto, dono do Banco Nacional de Minas Gerais, que sonhava com a Presidência. Divulgara um manifesto pedindo a “restauração da ordem constitucional”. Mobilizara sua polícia militar, estocara gasolina e confessara-se ao arcebispo de Belo Horizonte, d. João Resende Costa. Dele recebera uma bênção pessoal para “a causa de Minas contra o comunismo”.

Os dois generais de Minas tinham pressa. O comandante da Infantaria Divisionária/4, Carlos Luiz Guedes, e o general Olympio Mourão Filho, da 4ª Região Militar e da 4ª Divisão de Infantaria, não podiam esperar pela senha. Mourão estava com poucos meses de vida no serviço ativo. Guedes estava a um passo da substituição. O “dispositivo” não confiava neles e os deixara nos postos porque, juntos, não somavam um regimento adestrado. A idéia de Mourão era derrubar Jango através de um golpe fulminante que denominava Operação Popeye. Desceria de seu quartel, em Juiz de Fora, com uma tropa pequena e bem treinada. Acreditava que poderia tomar de assalto o prédio do Ministério da Guerra em menos de 24 horas. O resto cairia de podre. Guedes e Magalhães Pinto, em Belo Horizonte, trabalhavam noutra linha, que consistia em rebelar Minas Gerais, separando-a do governo Goulart. O resto cairia de podre. Os conspiradores do Rio de Janeiro planejavam um levante com base em São Paulo. À meia-noite do dia 30 de março, esse plano dependia do comportamento de Goulart. Não esperavam muita coisa dos generais mineiros.

Em Washington, trabalhava-se na armação de uma força-tarefa naval que, em caso de necessidade, zarparia para a costa brasileira. Sua formação fora proposta pelo embaixador americano, Lincoln Gordon. No dia 20 de março de 1964, uma semana depois do comício da Central, o presidente Lyndon Johnson autorizara a formação de uma força naval para intervir na crise brasileira, caso isso viesse a parecer necessário.

A Mercedes de Jango parou em frente ao Automóvel Clube. Passava um pouco das 22 horas. O presidente disse a parte decisiva de improviso. Para a platéia, que temia um discurso conciliador, Jango parecia em grande forma. Fez uma demorada defesa da reforma da Constituição: “Triste do país que tivesse uma Constituição intocada”.

Nas primeiras horas do dia 31, o Jornal do Brasil começara a circular. Trazia um artigo de Carlos Castello Branco intitulado “Minas desencadeia luta contra Jango”. Registrava dois prognósticos da liderança oposicionista para um “desfecho da situação nacional”. Num, ele ocorreria em 24 horas. Noutro, em 72. Dava conta de que a oposição poderia tentar transferir a sede do Congresso para São Paulo ou Belo Horizonte. Admitia a possibilidade de uma renúncia teatral de Jango.

No início da tarde nenhum soldado de Mourão tinha saído do lugar. Tanto ele como Guedes, alcançados por telefonemas de jornalistas e oficiais ligados ao governo, desmentiam que estivessem rebelados. O general julgava-se à frente de uma revolução, mas continuava a 150 quilômetros do Rio de Janeiro. Sua tropa continuava onde sempre estivera: em Juiz de Fora. Os conspiradores recuavam. O único general a entrar no gabinete de Jango com algum tipo de proposta foi o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, Pery Constant Bevilaqua. Pery entregou ao presidente um documento em que pedia uma política de combate às greves. Queria também uma derrubada ministerial e acreditava que, com isso, seria possível recompor a situação.

O chefe do Gabinete Militar, general Argemiro de Assis Brasil era o pai de um chamado “dispositivo militar” que, pelas suas contas, assegurava a Jango uma inédita lealdade dos quartéis. Em dezenas de unidades militares, oficiais e sargentos leais ao governo dominavam a situação. Os conspiradores não conseguiram furar a couraça do I Exército. Os comandantes dos Dragões da Independência, do Regimento de Reconhecimento Mecanizado e do 2° Batalhão de Infantaria Blindada refugaram convites para aderir ao levante. Em São Paulo, o governador Adhemar de Barros desligara o telefone quando Carlos Lacerda lhe perguntou se apoiava o levante.

Em Juiz de Fora, Mourão dera-se conta de que o 12° Regimento de Infantaria, prometido por Guedes havia dias, não aparecia. Às 22 horas, quando chegou, estava sem armas automáticas, sem comida e sem dinheiro. Às 19h05 o coronel Vernon Walters alarmara-se: “A rebelião parece estar perdendo momentum por falta de apoio (…)”. O chefe da representação americana em Brasília acreditava que o movimento fracassara.

O general Oswaldo Cordeiro de Farias, que desde a manhã voara do Rio para São Paulo e de lá para Minas Gerais, fechava seu dia de conspirador com uma ponta de amargura. Vinte e seis anos depois ele recordaria: “A verdade — é triste dizer — é que o Exército dormiu janguista no dia 31…”.

Contribua com o Resumo da Obra

Bibliografia:

GASPARI, Elio. A Ditadura Envergonhada. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2014.

Rolf Amaro

Nascido em 83, formado em Ciências Sociais, músico, sempre ando com um livro na mão. E a Ana,minha senhora, na outra.

More Posts

Follow Me:
Twitter

Desabafos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.