As Etapas do Pensamento Sociológico: Émile Durkheim – As Formas Elementares da Vida Religiosa

COMPARTILHE:
Share

As formas elementares da vida religiosa tem como objetivo elaborar uma teoria geral da religião, com base na análise das instituições religiosas mais simples e primitivas. Para Durkheim, é possível fundamentar uma teoria das religiões superiores no estudo das formas religiosas primitivas. No caso, o totemismo revela a essência da religião.

As formas elementares da vida religiosa é um livro que pode ser estudado sob três pontos de vista: uma descrição e análise do sistema de clãs e do totemismo de certas tribos australianas; uma teoria da essência da religião: por fim, uma introdução à sociologia do conhecimento. É o segundo tema, a teoria geral das religiões, que me interessa aqui. O método de Durkheim, neste livro, se mantém. Começa definindo o fenômeno; depois, refuta as teorias diferentes das suas; finalmente, demonstra a natureza essencialmente social das religiões.

Para Durkheim, a essência da religião é a divisão do mundo em fenômenos sagrados e profanos. Não é a crença numa divindade transcendente, pois há religiões sem Deus. A religião também não pode ser definida pelas noções de sobrenatural. Só se concebe o sobrenatural por oposição ao natural; e para ter uma ideia clara do natural é preciso pensar de maneira cientifica. A noção de sobrenatural não pode preceder a ideia de uma ordem natural. A religião pressupõe o sagrado, em seguida a organização das crenças relativas ao sagrado e, por fim, ritos ou praticas derivados das crenças.

Durkheim, afasta as interpretações anteriores à sua. Estas interpretações são o animismo e o naturismo. Segundo o animismo, a crença religiosa é a fé em espirito, transfiguração da experiência que os homens tem da sua dupla natureza, de corpo e alma. Para o naturismo, os homens adorariam as forças naturais transfiguradas.

Depois de afirmar que a essência da religião é o sagrado, Durkheim não encontra muita dificuldade para marcar as deficiências da interpretação animista. Nem as forças naturais nem os espíritos são sagrados por si mesmos. Só a sociedade é uma realidade sagrada por si mesma. Ela pertence à ordem da natureza, mas a ultrapassa. É ao mesmo tempo causa do fenômeno religioso e justificativa da distinção espontânea entre profano e sagrado.

Durkheim analisa o totemismo, utilizando as noções de clã e de totem. O clã é um grupo de parentesco não constituído por laços de sangue, que exprime sua identidade tomando como referência uma planta ou animal. Nas tribos australianas estudadas por Durkheim cada totem tem seu emblema e seu brasão. Nas sociedades modernas, a bandeira pode ser considerada como o equivalente do churinga australiano. Ela participa do caráter sagrado atribuído à pátria.

Para explicar o totemismo, Durkheim afasta a interpretação segundo a qual o totemismo se teria desenvolvido a partir do culto dos antepassados, ou aquela que vê no culto dos animais o fenômeno primitivo. Para ele o fenômeno original é o totemismo do clã. A origem primordial do totemismo é o reconhecimento do sagrado. E o sagrado é uma força derivada da coletividade. Mas por que a sociedade se torna o objeto da crença e do culto? Durkheim responde que a sociedade tem em si mesma algo de sagrado: “(…) Ora, a sociedade provoca também em nós a sensação de uma perpétua dependência. (…) Exige que, esquecendo nossos próprios interesses, sejamos seus servidores, impondo-nos todos os tipos de privações, trabalhos e sacrifícios sem os quais a vida social se tomaria impossível. (…) Aceitamos suas ordens não apenas porque ela está armada de modo a poder triunfar sobre nossas resistências, mas (…) porque ela é objeto de um respeito verdadeiro.” (Les formes elementaires de la vie religieuse)

Imaginemos uma multidão participando de uma cerimônia que é ao mesmo tempo festa e culto. A cerimônia arrasta os indivíduos para fora de si mesmos. Essa coisa é precisamente a força coletiva: algo de sagrado. Esses fenômenos de efervescência são um bom exemplo do processo psicossocial graças ao qual nascem as religiões. Durkheim alude também ao culto revolucionário. Na época da Revolução Francesa, as pessoas eram dominadas por uma forma de entusiasmo religioso. As palavras nação, liberdade, revolução estavam carregadas de valor sagrado comparável ao do churinga dos australianos. Outras reviravoltas ocorrerão; momentos em que as sociedades serão outra vez possuídas pelo delírio sagrado, e deste nascerão novas religiões.

Durkheim extrai do estudo do totemismo uma teoria sociológica do conhecimento. A religião não é apenas o núcleo primitivo do qual saíram regras morais e regras religiosas; é também a origem primitiva do pensamento cientifico. Essa teoria sociológica do conhecimento contém três proposições:

1) As formas primitivas de classificação estão ligadas às imagens religiosas do universo, retiradas das representações que as sociedades fazem de si mesmas. Para Durkheim, classificamos os seres do universo porque temos o exemplo das sociedades humanas. Necessária para a classificação lógica dos gêneros e das espécies, a ideia da hierarquia só pode, de fato, ser extraída da própria sociedade.

2) Durkheim afirma que uma ideia como a da causalidade provém da sociedade. A experiência da vida coletiva faz nascer a ideia de força. É a sociedade que dá aos homens a concepção de uma força superior à dos indivíduos.

3) Durkheim se esforça por demonstrar que a teoria sociológica do conhecimento fornece o meio para superar a oposição entre o empirismo e o apriorismo. O empirismo é a doutrina segundo a qual as categorias e os conceitos resultam diretamente da experiência sensível; para o apriorismo, os conceitos ou categorias são dados do espirito humano. Ora, Durkheim afirma que o empirismo não explica como os conceitos ou categorias saem dos dados sensíveis, e o apriorismo é falso porque não explica nada, uma vez que ele coloca no espírito humano aquilo que seria preciso explicar.

A síntese vai resultar da intervenção da sociedade. A sociedade é um mecanismo pelo qual as ideias tem acesso à generalidade e encontram ao mesmo tempo a autoridade característica dos conceitos ou categorias.

Tenho, de fato, uma certa dificuldade em penetrar a maneira de pensar de Durkheim, provavelmente devido à falta de simpatia necessária à compreensão. Parece-me inconcebível definir a essência da religião como a adoração do grupo pelo individuo, pois a adoração da ordem social é precisamente a essência da impiedade. Afirmar que o sentimento religioso tem por objeto a sociedade transfigurada não é explicar uma experiência humana que a sociologia deseja compreender, é degradá-la.

Durkheim afirma que a sociedade cria a religião quando está em efervescência. Esta interpretação se baseia numa explicação causal segundo a qual a efervescência social é favorável ao surgimento da religião. Nada sobra da ideia de que o homem adora o que efetivamente merece ser adorado. E cometemos um erro ao falar da sociedade no singular, pois, segundo o próprio Durkheim, o que existe são sociedades. Neste caso, a essência da religião consistiria em inspirar aos homens uma vinculação fanática a grupos parciais, consagrando a ligação de cada um deles com a coletividade e, ao mesmo tempo, sua hostilidade com relação aos outros.

Bibliografia:

ARON, Raymond. As etapas do pensamento sociológico. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

Rolf Amaro

Nascido em 83, formado em Ciências Sociais, músico, sempre ando com um livro na mão. E a Ana,minha senhora, na outra.

More Posts

Follow Me:
Twitter

Desabafos

One thought on “As Etapas do Pensamento Sociológico: Émile Durkheim – As Formas Elementares da Vida Religiosa

  1. Pingback: Grandes temas das ciencias Sociais: Max Weber – A Sociologia da Religião | Observatório Pelotas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.