Navegantes, Bandeirantes, Diplomatas: Cabral e o Brasil

COMPARTILHE:
Share

4.1 Navegações portuguesas

Se fosse possível fazer um resumo da História Universal em umas poucas centenas de páginas, só alguns países e épocas estariam aí mencionados. Portugal seria um deles, e o período seria o dos descobrimentos, que dura, grosso modo, um século, da tomada de Ceuta, em 1415, por D. João I, à circum‑navegação da Terra por Fernando de Magalhães e Sebastião de Elcano, entre 1519 e 1522. Continue reading

Navegantes, Bandeirantes, Diplomatas: Relatos de Vespúcio

COMPARTILHE:
Share

3.1 Espanhóis na costa norte

É compreensível a primazia espanhola em revelar o litoral norte da América do Sul, afinal, é o prolongamento atlântico do contorno terrestre do mar do Caribe. No estágio atual dos conhecimentos, parece provado que além da de Colombo, três outras pequenas frotas de bandeira espanhola Continue reading

Navegantes, Bandeirantes, Diplomatas: O Tratado de Tordesilhas

COMPARTILHE:
Share

2.1 Rivalidades ibéricas

Colombo conhecia bem as pendências luso‑hispânicas: basta recordar que tinha vivido em Portugal durante a guerra peninsular (1475‑1479) terminada com a paz de Alcáçovas. Ao voltar de sua viagem descobridora, viu na prática como elas se refletiam na disputa pela posse das terras descobertas. Continue reading

Navegantes, Bandeirantes, Diplomatas: Viagens de Colombo

COMPARTILHE:
Share

1.1 Gênova e o Mediterrâneo

É incontável o número de livros sobre o mais célebre dos navegantes, Cristóvão Colombo, embora pouco se saiba de incontroverso sobre sua vida. Parece hoje provado que nasceu realmente em Gênova, em 1451, no seio de antiga família de tecelões locais. Continue reading

Uma Breve História do Brasil: Sem Fé, Sem Lei, Sem Rei

COMPARTILHE:
Share

Da caravela, o capitão-mor e seu escrivão, Caminha, observavam, na praia, homens que gesticulavam. “Eram pardos, todos nus, sem coisa alguma que lhes cobrisse as vergonhas. Nas mãos traziam arcos com suas setas.” Era uma gente nova e desconhecida, que deitou no chão os arcos e as flechas impregnadas de venenoso sumo de mandioca, quando os portugueses se aproximaram. Continue reading