Navegantes, Bandeirantes, Diplomatas: Conclusão – Uma História Que Deu Certo

COMPARTILHE:
Share

Nos últimos cem anos, não houve país do continente que não se tivesse envolvido em algum problema sério de fronteiras. Com uma exceção, o Brasil. Com território de 8,5 milhões de km², praticamente a metade da América do Sul, e fronteiras terrestres de 15.719 km, Continue reading

Navegantes, Bandeirantes, Diplomatas: O Barão da República

COMPARTILHE:
Share

11.1 Rio Branco: a obra de uma vida

Em 1876, com trinta anos, inicia uma longa carreira diplomática em Liverpool o futuro Barão do Rio Branco, José Maria da Silva Paranhos Jr. Em 1902, foi convidado por Rodrigues Alves para ser Ministro das Relações Exteriores. Permaneceu no cargo durante quase dez anos, servindo a mais três Presidentes: Afonso Pena, Nilo Peçanha e Hermes da Fonseca. Faleceu em 1912 em seu gabinete no Palácio do Itamaraty. Continue reading

Navegantes, Bandeirantes, Diplomatas: As Fronteiras do Império

COMPARTILHE:
Share

10.1 Incertezas amazônicas

Por volta de 1850, no campo internacional, o período que se iniciava viu o aparecimento de uma política de fronteiras que desembocou nos tratados de limites amazônicos do Império. Liberadas as nações hispano‑americanas do vínculo colonial, entre 1811 e 1824, teve o recém‑instaurado Império do Brasil dificuldade em identificar qual era, em cada trecho da fronteira amazônica, o seu vizinho. Continue reading

Navegantes, Bandeirantes, Diplomatas: O Mapa da Colônia

COMPARTILHE:
Share

9.1 Madri: um acordo favorável a Portugal?

Apesar da curta vigência formal, o Tratado de Madri é, na História do Brasil, o texto fundamental para a fixação dos contornos do nosso território. Foi o Tratado de Madri que legalizou a posse do Rio Grande do Sul, do Mato Grosso e da Amazônia, regiões situadas a ocidente da linha de Tordesilhas. Continue reading

Navegantes, Bandeirantes, Diplomatas: Monções – A Ocupação do Oeste

COMPARTILHE:
Share

8.1 As monções cuiabanas

Diferente das bandeiras, as monções eram exclusivamente fluviais; seguiam roteiros fixos, passando por pontos conhecidos e tinham um único objetivo: chegar às minas de ouro dos rios Cuiabá e Guaporé. Continue reading