Raízes do Brasil: Posfácio “Raízes do Brasil” e Depois

COMPARTILHE:
Share

Raízes do Brasil corresponde a uma fase especialíssima no percurso intelectual de Sérgio Buarque de Holanda, por ser o livro que conduziu a uma ruptura que desembocará nos grandes ensaios da maturidade do autor, como Caminhos e fronteiras, Visão do paraíso e Do Império à República. Graças a esta ruptura, Sérgio Buarque abandonou o projeto de interpretação sociológica do passado brasileiro em favor de uma análise de cunho eminentemente histórico, em que soube evitar os escolhos do monografismo universitário ou meramente erudito. Continue reading

Raízes do Brasil: Nossa Revolução

COMPARTILHE:
Share

1888 foi o momento mais decisivo de todo o nosso desenvolvimento nacional. A partir dessa data, pararam de funcionar alguns dos freios tradicionais contra o advento de um novo estado de coisas, que só então se faz inevitável. Continue reading

Raízes do Brasil – Novos Tempos

COMPARTILHE:
Share

A aptidão para o social está longe de constituir um fator apreciável de ordem coletiva. A nossa conduta ordinária mostra um apego singular aos valores da personalidade configurada pelo recinto doméstico. Cada indivíduo afirma-se, ante os seus semelhantes, indiferente à lei geral (se esta lei contraria suas afinidades emotivas) e atento apenas ao que o distingue dos demais, do resto do mundo. Continue reading

Raízes do Brasil – O Homem Cordial

COMPARTILHE:
Share

O Estado não é uma ampliação do círculo familiar. A indistinção entre as duas formas teve seus adeptos mais entusiastas durante o século XIX, para quem o Estado descenderia da família. Na verdade eles se opõem; só pela transgressão da ordem doméstica e familiar é que nasce o Estado e que o indivíduo se faz cidadão. Continue reading

Raízes do Brasil – O Semeador e o Ladrilhador

COMPARTILHE:
Share

A primazia da vida rural combina com o espírito da dominação portuguesa, que cuidou mais em fazer uma riqueza fácil do que planejar. A habitação em cidades associa-se a manifestações do espírito e da vontade. A construção de cidades foi um eficiente instrumento de dominação ao ser, no mundo elenístico por exemplo, o meio pelo qual foram criados órgãos locais de poder, segundo Max Weber.

Continue reading