As Etapas do Pensamento Sociológico: Émile Durkheim – As Regras do Método Sociológico

COMPARTILHE:
Share

Resumo de As Regras do Método Sociológico de Durkheim, capítulo de As Etapas do Pensamento Sociológico de Raymond Aron. Boa leitura!

Ao analisar os três grandes livros de Durkheim, pode-se notar a semelhança dos métodos utilizados e dos resultados obtidos: no ponto de partida, uma definição do fenômeno; depois, a refutação das interpretações anteriores. Por fim, uma explicação propriamente sociológica do fenômeno considerado.

Nos três livros, as interpretações anteriores são refutadas e tem a mesma característica: são interpretações individualistas e racionalizantes. Nos três casos, a explicação a que chega é essencialmente sociológica, embora o adjetivo tenha em cada livro um sentido algo diferente. Em Da divisão do trabalho social a explicação é sociológica porque propõe a prioridade da sociedade sobre os fenômenos individuais. Em O Suicídio, o fenômeno social pelo qual explica o suicídio é o que chama de corrente suicidógena, ou uma tendência social ao suicídio, que se manifesta, em determinados indivíduos. Em As Formas Elementares da Vida Religiosa, a explicação sociológica tem dupla característica: de um lado, e a exaltação coletiva provocada pela reunião de indivíduos num mesmo lugar, que faz surgir o fenômeno religioso e inspira o sentido do sagrado; de outro lado, e a própria sociedade que os indivíduos adoram sem o saber.

As regras do método sociológico representa a formulação abstrata da prática dos dois primeiros livros. O objetivo de Durkheim é demonstrar que pode e deve existir uma sociologia objetiva e científica, tendo por objeto o fato social. Para que haja tal sociologia, duas coisas são necessárias: que seu objeto seja específico, distinguindo-se do objeto das outras ciências, e que possa ser observado e explicado de modo semelhante ao que acontece com os fatos observados pelas outras ciências. Esta dupla exigência leva às duas fórmulas que servem de fundamento para a metodologia de Durkheim: é preciso considerar os fatos sociais como coisas; a característica do fato social é que ele exerce uma coerção sobre os indivíduos.

De acordo com Durkheim, a coerção é apenas a aparência externa, uma característica que permite reconhecer o fato social. Durkheim parte da ideia de que convém definir os fatos sociais pelas características externas facilmente reconhecíveis, a fim de evitar os preconceitos. O perigo deste método é duplo: substituir imperceptivelmente uma definição, intrínseca, por outra, extrínseca, relacionada com sinais exteriores reconhecíveis, e pressupor arbitrariamente que todos os fatos classificados nessa categoria derivam necessariamente de uma mesma causa.

Essa tendência a ver os fatos sociais como suscetíveis de serem classificados em gêneros e em espécies aparece no Cap. V, dedicado às regras relativas à constituição dos tipos sociais. A classificação das sociedades, de Durkheim, se baseia no princípio de que o diferente grau de complexidade é que as diferencia. O ponto de partida é o grupo mais simples, a que Durkheim chama horda. Depois da horda vem o clã, que compreende várias famílias e é a mais simples sociedade historicamente conhecida. Para classificar as outras sociedades, basta aplicar o mesmo princípio. Este critério permite determinar a natureza de uma sociedade sem referência às fases históricas, tais como as etapas do desenvolvimento econômico.

Os sociólogos do século XIX, Auguste Comte e Karl Marx, se esforçaram por determinar as fases do progresso intelectual, econômico e social da humanidade. Segundo Durkheim, estas tentativas não levam a nada, pois uma sociedade pode absorver certo desenvolvimento econômico sem que sua natureza fundamental se transforme. Contudo, é possível fazer uma classificação cientificamente válida dos gêneros e espécies de sociedades, com base num critério que reflete a estrutura da sociedade considerada, como o número dos segmentos justapostos numa sociedade complexa e o modo de combinação desses segmentos.

As teorias da definição e classificação dos gêneros e espécies levam à distinção do normal e do patológico. A distinção do normal e do patológico, desenvolvida no Capitulo III de As regras do método sociológico, é uma das bases do pensamento de Durkheim. Sua vontade de ser um cientista puro não o impedia de afirmar que a sociologia não valeria nada se não permitisse o aperfeiçoamento da sociedade. A distinção entre o normal e o patológico é precisamente uma das intermediações entre a observação dos fatos e os preceitos. Se um fenômeno é patológico, temos um argumento cientifico para justificar projetos de reforma.

Para Durkheim, será considerado normal o fenômeno que encontrarmos mais frequentemente numa sociedade dada, num certo momento do seu desenvolvimento. Esta definição da normalidade não exclui que, subsidiariamente, se procure explicar a causa que determina a frequência do fenômeno considerado.

Assim como a normalidade é definida pela generalidade, a explicação, segundo Durkheim, é definida pela causa. Explicar um fenômeno social é identificar o fenômeno que o produz. Uma vez estabelecida a causa de um fenômeno, pode-se procurar igualmente a função que exerce, a sua utilidade. As causas dos fenômenos sociais devem ser procuradas no meio social. É a estrutura da sociedade considerada que constitui a causa dos fenômenos que a sociologia quer explicar.

A explicação dos fenômenos pelo meio social se opõe à explicação histórica segundo a qual a causa de um fenômeno deveria ser procurada no estado anterior da sociedade. Durkheim pensa que se podem explicar os fenômenos sociais pelas condições concomitantes. De certa maneira, a causalidade eficiente do meio social representa, para Durkheim, a condição da existência da sociologia cientifica.

Esta teoria da sociologia cientifica se fundamenta numa afirmativa central do pensamento de Durkheim: a sociedade é uma realidade de natureza diferente das realidades individuais. Todo fato social tem como causa um outro fato social, e nunca um fato da psicologia individual.

Este é o centro do pensamento metodológico de Durkheim. Para ele o fato social é específico, provocado pela associação dos indivíduos, e diferente, pela sua natureza, do que se passa no nível das consciências individuais. Os fatos sociais podem ser objeto de uma ciência geral porque se distribuem em categorias, e os próprios conjuntos sociais podem ser classificados em gêneros e espécies.

Bibliografia:

ARON, Raymond. As etapas do pensamento sociológico. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

Rolf Amaro

Nascido em 83, formado em Ciências Sociais, músico, sempre ando com um livro na mão. E a Ana,minha senhora, na outra.

More Posts

Follow Me:
Twitter

Desabafos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.