Uma Breve História do Brasil: Emancipacionistas, Abolicionistas e Escravistas

COMPARTILHE:
Share

Para compreendermos os principais motivos que levaram à libertação dos escravos em 1888, devemos atentar para a existência de três grupos que na época a debateram: os emancipacionistas, partidários da extinção gradual da escravidão; os abolicionistas, que propunham a libertação imediata dos escravizados; e, por fim, como seria de esperar, os escravistas, Continue reading

Uma Breve História do Brasil: Surge Um Novo Poder

COMPARTILHE:
Share

Uma expressão bastante conhecida a respeito da proclamação da República é aquela proferida por ARISTIDES LOBO, dizendo que o povo assistiu à queda da monarquia “bestializado, atônito, sem conhecer o que significava”. De fato, a mudança da forma de governo, ocorrida em 1889, foi uma surpresa, um evento misterioso para os que não pertenciam ao grupo de conspiradores. Continue reading

Uma Breve História do Brasil: O Império Ameaçado

COMPARTILHE:
Share

Entre 1864 e 1870 a GUERRA DO PARAGUAI vitimou milhares de paraguaios, brasileiros, argentinos e uruguaios, sendo por isso considerado o conflito sul-americano mais sanguinolento – e também o de mais longa duração – ocorrido durante o século XIX. Em relação ao Brasil, a guerra teve repercussões que foram muito além dos campos de batalha. Não sem razão, JOAQUIM NABUCO  Continue reading

Uma Breve História do Brasil: O Brasil Como Nação

COMPARTILHE:
Share

Em meados do século XIX, a capital do Império viu surgir uma nova moda cultural: procurar vestígios de antigas civilizações que teriam existido no interior do Brasil antes da chegada de Cabral. Tais incursões, promovidas pelo INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO BRASILEIRO (IHGB), eram organizadas por renomados intelectuais da época que contavam, inclusive, com o apoio do governo imperial. As buscas arqueológicas oitocentistas eram uma espécie de ponta de iceberg de outra questão fundamental da época: a da identidade nacional brasileira.

Logo após 1822 surgiram movimentos que questionavam o projeto político imperial carioca e reivindicavam o federalismo ou até a independência de suas respectivas regiões. No entanto, a abdicação não diminuiu o ímpeto separatista. Ao contrário, o período que se estende até 1848 foi caracterizado pelo avanço desse segmento. A elite imperial não só ordenou o massacre dos rebeldes das províncias como também procurou criar instituições que viabilizassem o projeto monárquico. Os intelectuais vinculados a esse projeto investiram no combate aos movimentos separatistas, mostrando que os brasileiros constituíam uma nacionalidade com características próprias. Em outras palavras, para ser viável, o Império deveria não só se impor através da força, como também por meio de boas instituições e de uma identidade coletiva que justificasse a razão de ser da nação que estava se formando.

Nas discussões que se seguiram imediatamente à fundação do IHGB, a versão do que seria o elemento central da história nacional, ironicamente, foi definida por um estrangeiro. Segundo o esquema proposto por KARL VON MARTIUS, naturalista alemão, a história do BRASIL resultaria da fusão de três raças: branca, negra e índia. Na época, a tese de Martius estava em dia com os mais avançados debates científicos que, por intermédio da análise das diferentes misturas entre anglo-saxões, francos, normandos, celtas e romanos, tentavam explicar as diferentes nacionalidades europeias.

A “teoria” das três raças se fundindo e formando a nacionalidade apresentava ainda dois atrativos suplementares. Em primeiro lugar, mostrava que os brasileiros eram diferentes dos portugueses, sendo legítimas, portanto, as aspirações de 1822. Em segundo lugar, tal interpretação procurava esvaziar a legitimidade dos movimentos separatistas, unificando, em uma única categoria nacional, o conjunto de habitantes dispersos pelas várias regiões do Império, contribuindo assim para a formação de uma identidade brasileira diferenciada daquela do antigo colonizador.

No texto elaborado por Martius, a contribuição portuguesa para a formação da nacionalidade brasileira é associada a instituições políticas, econômicas e religiosas; em outras palavras, às formas de vida civilizadas. Já a contribuição dos negros é apresentada de maneira contraditória, havendo sucintas alusões aos conhecimentos dos africanos em relação à natureza e, ao mesmo tempo, a seus preconceitos e superstições.

Segundo tal interpretação, o que faria do Brasil uma sociedade diferente da portuguesa seria a presença indígena. Em relação a este segmento, a posição de Martius foi a de indicar que eles descendiam de uma antiga civilização que teria migrado para o Novo Mundo e entrado em decadência, regredindo ao estado de selvageria. Portanto, essa contribuição poderia ser considerada tão importante quanto a dos portugueses e a nacionalidade brasileira poderia revelar um passado monumental, rival até ao europeu.

É justamente nesse ponto que a apropriação de uma tradição indígena, baseada na existência de uma fantasiosa e ancestral “alta cultura”, desempenhou um papel central na da nacionalidade. Da ótica do pequeno grupo de intelectuais que, na época, refletiu a respeito da identidade nacional brasileira, os primeiros habitantes do Brasil passaram a ser vistos como portadores de valores que até os portugueses da Época Moderna haviam perdido. Para os autores que adotaram esse tipo de concepção, o mundo indígena teria conservado a nobreza, a generosidade e a bravura do mundo antigo. A tradição indígena – ou a invenção dessa tradição – fornecia os ingredientes que faltavam para fazer do brasileiro um ser diferente do português.

Boa parte da literatura brasileira do século XIX (GONÇALVES DIAS e JOSÉ DE ALENCAR, por exemplo) estende raízes nesse debate. Por essa época, havia no Brasil muito pouca especialização da atividade intelectual. Um indivíduo podia, ao mesmo tempo, ser magistrado, jornalista, romancista, poeta, historiador, arqueólogo, naturalista, transitando, assim, em diversas áreas de conhecimento.

Para compreendermos as consequências dessa situação, é necessário sublinhar que, nas primeiras décadas do século XIX, observamos no Brasil o florescimento do romantismo. Em linhas gerais, os românticos propunham uma aproximação da ciência com a literatura e a poesia. O romantismo também fazia oposição à ideia de que as sociedades tinham a mesma origem, evoluindo da mesma maneira, ou ainda que a história humana fosse guiada por algum objetivo, como a busca do progresso ou da liberdade. Ao contrário das teorias evolucionistas do século XVIII, os românticos não classificavam as nações como atrasadas, mas sim como diferentes entre si. Daí, inclusive, a busca pelo passado indígena. Justamente por não se saber ao certo a origem dos índios, as descobertas arqueológicas poderiam sugerir novas formas de entender e de valorizar a identidade nacional brasileira.

Misturando arqueologia com poesia, linguística com romance de folhetim, pintura com ópera, foram elaboradas, representadas, divulgadas e debatidas explicações de como o Brasil se tornou brasileiro.

Contribua com o Resumo da Obra

Bibliografia:

DEL PRIORE, Mary e VENANCIO, Renato. Uma breve História do Brasil. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2010.