Vigiar e Punir: A Mitigação das Penas

COMPARTILHE:
Share

Resumo de A Mitigação das Penas, capítulo de Vigiar e Punir de Michel Foucault. Boa leitura!

Encontrar para um crime o castigo que convém é encontrar a desvantagem cuja ideia seja tal que torne definitivamente sem atração a ideia de um delito. Importa constituir pares de representação de valores opostos, estabelecer um jogo de sinais-obstáculos que Continue reading

Vigiar e Punir: A Punição Generalizada

COMPARTILHE:
Share

Esse é o resumo de A Punição Generalizada, capítulo 3 de Vigiar e Punir de Michael Foucault. Bons estudos!

O protesto contra os suplícios é encontrado em toda parte na segunda metade do século XVIII: entre os filósofos e teóricos do direito; entre juristas, magistrados, parlamentares e entre os legisladores das assembleias. Continue reading

Vigiar e Punir: A Ostentação dos Suplícios

COMPARTILHE:
Share

Resumo de A Ostentação dos Suplícios, capítulo de Vigiar e Punir de Michel Foucault. Boa leitura!

A ordenação de 1670 regeu, até à Revolução, as formas gerais da prática penal. Eis a hierarquia dos castigos por ela descritos: “A morte, a questão com reserva de provas, as galeras, o açoite, a confissão pública, o banimento”. As penas físicas tinham, portanto, uma parte considerável. Continue reading

Vigiar e Punir: O Corpo dos Condenados

COMPARTILHE:
Share

Resumo de O Corpo dos Condenados, capítulo de Vigiar e Punir: Nascimento da Prisão de Michel Foucault. Boa leitura!

[Damiens fora condenado, a 2 de março de 1757], a pedir perdão publicamente diante da poria principal da Igreja de Paris [aonde devia ser] levado e acompanhado numa carroça, nu, de camisola; [em seguida], […] atenazado nos mamilos, braços, coxas e barrigas das pernas, Continue reading

Vigiar e Punir – O Panoptismo

COMPARTILHE:
Share

Resumo de O Panoptismo, capítulo de Vigiar e Punir: Nascimento da Prisão de Michel Foucault. Boa leitura!

No fim do século XVII, quando se declarava a peste numa cidade, medidas como divisão da cidade em quarteirões, cada rua sob a autoridade de um síndico, responsável por trancar as pessoas em suas casas eram adotadas. A ordem responde à peste, desfaz as confusões entre corpo são e doente, e evita a desordem causada pelo medo e a morte. Continue reading